Home A.A. na Internet

A.A. na Internet

A mensagem de alcoólicos Anônimos na Internet

A mensagem de A.A. na Internet

Como identificar um Site de A.A. na Internet.

As principais formas de mídias existentes antes do advento da Internet eram: imprensa, rádio, televisão e filmes.

A Internet nada mais é que a junção de todas essas mídias anteriores com mais um novo elemento que é a possibilidade da comunicação se dar em dupla direção, Internet é mídia.

Nossa 11º Tradição diz: “Nossas relações com o público baseiam-se na atração em vez da promoção; cabe-nos sempre preservar o anonimato pessoal na imprensa, no rádio e em filmes”.

A mais importante forma de transmissão da mensagem de A.A. na Internet é feita pelos Sites da Estrutura de Alcoólicos Anônimos no Brasil.

Para saber quais são os sites da Estrutura de A.A. no Brasil é simples: Todos têm no seu endereço eletrônico a terminação “.org.br”.

Na internet existem diversas terminações que define em termos qual é a finalidade ou origem de um site.

Para as entidades não governamentais e as sem fins lucrativos a terminação utilizada é “.org.br” e essa á a maior segurança que você tem de estar dentro de um site da Estrutura de Alcoólicos Anônimos no Brasil. Qualquer outra terminação utilizada no endereço eletrônico não é site da Estrutura de A.A. no Brasil. mesmo que no seu conteúdo exista mensagem ou literatura de A.A., são sites de terceiros.

A Estrutura de Alcoólicos Anônimos no Brasil não possui sites nas redes sociais por conta de quebra de anonimato e vinculação do nome Alcoólicos Anônimos aos patrocinadores que aparecem nessas páginas gratuítas.

Vemos também o nome de Alcoólicos Anônimos estampado em diversas páginas de redes sociais. São iniciativas de membros de A.A. e não representam nem falam em nome de A.A.

Assim como existem essas publicações dos membros de A.A. dentro dessas redes sociais, sites e em blogs, na inbternet existem também as reuniões online.

Como na Internet a comunicação ocorre em duplo sentido, essa característica permitiu o surgimento de determinadas ferramentas que viabilizaram as reuniões online (grupos online) tanto em texto como em voz no primeiro legado.

Essas ferramentas conhecias como vídeo conferência também são utilizadas no segundo legado. Muitas Áreas e Comitês da JUNAAB tem utilizado as ferramentas de vídeo conferencia, promovendo reuniões online de serviço, normalmente para passar informes, apadrinhamento, capacitação de servidores, etc., o principal objetivo é redução de custos no deslocamento de servidores, quando as questões a serem tratadas não necessitem da presença física.

No preâmbulo da 4º edição do livro Alcoólico Anônimos diz:

Enquanto nossa literatura preserva a integridade da mensagem de A.A., amplas mudanças na sociedade como um todo se refletem em novos hábitos e procedimentos dentro da Irmandade. Por exemplo, aproveitando-se dos avanços tecnológicos, os membros de A.A. que dispõem de computador podem participar de reuniões por Internet, compartilhando com companheiros alcoólicos de todo o país e do mundo inteiro. Em qualquer reunião, em qualquer lugar, os AAs compartilham entre si experiências, forças e esperanças com o propósito de manterem-se sóbrios e ajudarem outros alcoólicos. Modem a modem ou cara a cara, os AAs falam a linguagem do coração em todo o seu poder e simplicidade.

Como o próprio texto diz essas reuniões de troca de experiência são de iniciativa de membros destinadas aos que dispõem de computador,

Nas Guias de Orientação de A.A. na Internet (Literatura aprovada pela XXXIV Conferência de Serviços Gerais de A.A. no Brasil) diz:

REUNIÕES DE AA ONLINE

Tal como as reuniões normais de AA, as reuniões de AA online são autônomas. Por não ter uma localização geográfica, as reuniões de AA online não fazem parte da estrutura de serviço (EUA/Canadá e Brasil).

Incentivam-se os membros de AA a participarem no serviço nos lugares onde residem e a participar nas decisões da consciência de grupo local. Algumas reuniões de AA online levam a cabo reuniões sobre o serviço e recolhem contribuições da Sétima Tradição.

Nossa Conferência de Serviços Gerais tem recebido inúmeras propostas de recomendações a respeito de reuniões online como se segue: 

CSG de 2010

Recomendação 8. Que os Grupos on-line possam se afiliar nos Comitês de Distrito e participar de toda estrutura de serviços Gerais de A.A. conforme a Quinta Tradição e o IV Conceito para Serviços Mundiais. (CE) – Rejeitada na Comissão de Normas e Procedimentos.

Recomendação 60. Que os Grupos On-line sejam cadastrados nos órgãos de serviços. (RJ) -  Rejeitada na Comissão de Normas e Procedimentos.

CSG de 2011

Recomendação 7. Que se faça uma correção do Site oficial de A.A. no Brasil por não ter uma localização geográfica, as reuniões de A.A. on-line não fazem parte da estrutura de serviços (EUA/Canadá e Brasil) por ir de encontro ao descrito no Relatório Final da XXXIII CSG de 2009 que diz: É de autonomia da Área a filiação de Grupos no Distritos (BA) -  Rejeitada na Comissão de Normas e Procedimentos.

Recomendação 27. Que a JUNAAB estude uma forma de regularizar os Grupos online dentro da estrutura de A;A; no Brasil (ES). -  Rejeitada na Comissão de Normas e Procedimentos.

CSG de 2012

Recomendação 31.  Que a luz da 4º Tradição e da Garantia VI do Conceito XII que sejam retiradas do site oficial de A.A. e do Guia de Orientação de A.A. na Internet a declaração "as reuniões de A.A. online não fazem parte da estrutura de serviço!. (26-BA) -  Rejeitada na Comissão de Normas e Procedimentos..

F.A.Q (Perguntas e Respostas Frequentes sobre esse assunto)

O CATI recebe inúmeras mensagens com pedidos de esclarecimentos, então colocamos a seguir algumas perguntas e respostas freqüentes:

1)           Qual(is) órgão(es) de serviço o CAI, de cada estado, está imediatamente ligado para  prestação de serviço dentro da estrutura?

Resposta: O CAI ou CATI é uma das secretarias da Área, é o comitê que assessora a Área nas questões de utilização de Tecnologia dentro da Irmandade. Segue os Princípios de A.A. e as Orientações constantes na Literatura quando ela se refere a Internet (Box 459 e outras) e as Guias de Orientação de A.A. na Internet.

2)           Quais são os serviços designados ao CAI dentro da estrutura?

Resposta: Dentre todos os serviços que o CAI executa que são os ligados a utilização da tecnologia dentro da Irmandade, destacamos a confecção ou acompanhamento da criação dos Sites, sua manutenção, atualização do Cadastro de Grupos e Órgãos de Serviços e manutenção das contas de E-mail. O CAI também pode ser o responsável para a distribuição aos demais comitês das solicitações recebidas pelo Fale - Conosco, repassar e distribuir à Estrutura Atas e Circulares e responder correspondências que tratam diretamente do assunto tecnologia.

 3)          O coordenador do CAI tem autonomia para que tipo de decisão?

Resposta: Conforme o que preconiza o conceito X: Toda a responsabilidade de serviço deveria corresponder a uma autoridade de serviço equivalente, portanto quando o CAI/CATI exerce suas atividades ele deveria ter a autoridade necessária para tomar as decisões sejam por tradição, resolução, por descrição específica de função ou por atas de constituição e estatutos adequados, também implementa as decisões ou deliberações do Comitê de Área ou de outras reuniões oficiais que sejam de sua alçada.

4)           A quem o CAI deve se reportar quando os servidores da área desconhecem e não se interessam por essa poderosa ferramenta de CTO?

Resposta: O apadrinhamento é o melhor mecanismo a ser utilizado para esclarecer aqueles que desconhecem as imensas vantagens que a tecnologia nos possibilita. Lembrando que a nossa Irmandade nasceu justamente pela tecnologia e dela se utiliza até hoje. Não existisse o telefone Bill W. nunca teria se comunicado com o reverendo Tunks e através dele encontrado o Dr. Bob, nossa irmandade sempre se utilizou da tecnologia da Informação.  Quando não existe a possibilidade do apadrinhamento para informar sobre essa ferramenta, mostramos os resultados alcançados que sempre sensibilizam os desinteressados. Existem também as reuniões oficiais de nossa Estrutura e nelas podemos despertar e esclarecer a Consciência Coletiva;

5)           A área de qualquer estado brasileiro tem a autonomia para decidir que uma reunião on line pode ser um grupo on line, com representatividade na estrutura?

Resposta: Como já exposto acima esse assunto já foi apreciado por diversas vezes pela nossa C.C. na CSG. A Área tem autonomia desde que não atinja o A.A. como um todo. Se uma Área acolhe uma reunião online ela estaria contrariando uma decisão de C.C. do A.A. no Brasil que descartou todas as recomendações nesse sentido e definiu pelas Guias que ela não fazem parte. Essa atitude isolada acaba acarretando conseqüências como nossa própria literatura observa e a primeira delas é a quebra de unidade. A CSG é soberana e precisa ser respeitada. Opiniões contrárias podem apreciadas na forma de recomendação encaminhadas pela Estrutura à CSG.

6)           O CAI deve prestar algum tipo de serviço aos grupos ou reuniões online?

Resposta: O CAI/CATI por natureza é um comitê de assessoramento do Comitê de Área ou JUNAAB, e a sua atuação é sempre dentro da Estrutura. As reuniões online não fazem parte da Estrutura, portanto não são tratadas nem assessoradas pelo CAI/CATI.

7)         É adequado fazermos discussões sobre qualquer assunto ligado a decisões da estrutura, princípios, etc., através do correio eletrônico?

Resposta: Existe fórum adequado para o debate de idéias, são as reuniões de serviços oficiais. Normalmente essas discussões são acaloradas, mas no final o que se espera e o que normalmente ocorre é que passado o calor do debate e percorridos todos os caminhos que inclui as apelações não se questione mais decisões tomadas dentro do principio de nossa segunda tradição. Essa prática de debater fora das reuniões oficiais não tem poder algum de deliberação, levar ou dar continuidade ao assunto a outras instâncias e dentro da Internet faz parte da rebeldia do alcoólico e em nossa literatura isso é bem exemplificado, As comunicações devem ser sempre dentro da Estrutura. As opiniões individuais são compreensíveis, mas não podem ensejar preocupação dentro do exercício do qualquer encargo.

Dados estatísticos relativos aos últimos 12 meses do nosso Site Oficial.

aa_internet1

 aa_internet2
 aa_internet3

A.A. na INTERNET e nossas TRADIÇÕES 

AS TRADIÇÕES DE AA

Observamos todos os princípios e Tradições nos Websites de AA.

Anonimato — Uma vez que o anonimato é a base espiritual de todas as nossas Tradições, pomos sempre em prática o anonimato em todos os Websites de AA públicos.

A não ser que esteja protegido por senha, um Website de AA é um meio público e, por isso, exigem-se as mesmas medidas de segurança que utilizamos ao nível da imprensa, rádio, TV e cinema. Na sua forma mais simples, isto supõe que os membros de AA não se identificam a si mesmos como membros de AA usando os nomes completos e/ou fotografia de cara inteira. Para mais informação sobre o anonimato online, pode ver a sessão destas Linhas com o título: "Proteção do anonimato online"

Atração e não promoção — Nas palavras do nosso co-fundador Bill W. "A Informação Pública toma muitas formas: o simples letreiro à porta do local de reunião que diz "Reunião de AA, esta tarde"; o número de AA nas listas telefônicas; distribuição de Literatura AA; programas de rádio e TV com técnicas sofisticadas dos meios de comunicação. Seja qual for a forma, tudo se reduz a um alcoólico que fala com outro, por contacto pessoal, por meio de um terceiro ou através dos meios de comunicação".

Auto-suficiência — De acordo com a nossa Sétima Tradição, AA cobre os seus próprios gastos e também é assim no ciberespaço. Para evitar confusões e não criar nenhuma impressão de filiação, apoio ou promoção, deve-se ter cuidado ao selecionar um serviço de hospedagem para páginas Web. Os Comitês de Website têm evitado todos os serviços de hospedagem que exigem espaço para anúncios publicitários ou links com Websites comerciais.

Não filiação, não apoio

Links para outros Websites de AA podem ter o efeito positivo de ampliar o alcance do Website de maneira importante. Não obstante, ao vincular-se com outro Website de AA há que ter cuidado, uma vez que cada entidade AA é autônoma, tem a sua própria consciência de grupo e pode colocar no seu Website materiais que possam ser impróprios para outros grupos Não há forma de prever quando se pode apresentar tal situação.

A experiência indica que o vincular-se com outro Website que não é de AA pode criar ainda mais problemas. Não somente é mais provável que estes Websites ponham materiais não AA e/ou adulterados, como também o vínculo pode causar uma impressão de apoio, no mínimo, ou até de filiação. De qualquer modo, a experiência sugere energicamente que ao considerar-se o vínculo com outro Website, há que ter sempre cuidado.

Há que ter cuidado também ao selecionar um serviço de hospedagem de páginas Web. Muitos serviços de hospedagem "grátis" exigem que se incluam no Website anúncios publicitários ou vínculos. A maioria dos Comitês de Website de AA consideram este requisito como uma filiação real ou implícita ou uma recomendação dos produtos ou serviços em questão. Parece-lhes prudente criar o Website através de um serviço que não exija espaço para anúncios publicitários ou vínculos.

A GSO (ESG) tem tentado evitar alguns problemas deste tipo, vinculando-se somente com entidades de serviço de AA e incorporando um enunciado de saída obrigatória do Website, se um utilizador quiser ativar vínculos com Websites alheios. (Nisto inclui-se acesso a software tal como Adobe Reader que serve para ajudar os visitantes a ler arquivos PDF).

SEÇÕES "RESTRITAS"

O GSO (ESG) teve conhecimento que algumas Áreas têm partes dos seus Websites designadas como "RESTRITAS" às quais se podem acessar com usuário e senha. Em alguns casos, o único requisito para obter um usuário e senha é dizer ao administrador do Website ou a outro servidor de confiança que se é membro de AA. Noutros casos, somente aqueles que têm determinados postos de serviço podem acessar a essas sessões.

Os Comitês de Website que consideram criar no seu Website sessões protegidas por senha devem perguntar-se: que conteúdo é privado e que conteúdo é público; a quem se permitirá que aceda à informação privada e como; como se comunicam, armazenam e manterão os usuários e senhas?

Alguns Websites utilizam estas sessões restritas para mudar ou atualizar informação sobre as reuniões e dados de contato dos servidores de confiança. Ao tornar possível que um servidor possa mudar o conteúdo de um Website ou uma base de dados, os Comitês devem ter cuidado. É possível que seja necessário capacitar no uso de software os membros que podem alterar o conteúdo e seria bom designar alguém para comprovar a exatidão dos conteúdos.

Até a data, o GSO (ESG) não teve conhecimento de problemas graves relacionados com a recuperação não autorizada de informação confidencial de AA destas seções restritas, por parte de indivíduos que não são membros de AA. Não obstante, para os Comitês de Website pode valer à pena falar sobre como vão proteger a informação confidencial de AA e como evitar uma falha de segurança.

A experiência partilhada de AA até a data indica que alguns membros não têm nenhum inconveniente em utilizar os seus nomes completos nem em facilitar informação de contactos pessoais nos Websites de AA protegidos por senha. Porém outros membros sentem-se inquietos ao fornecer dados para facilitar a comunicação, inclusive nos Websites protegidos por senha. Os Comitês costumam ter cuidado e ajudam a que os membros se familiarizem com os novos meios de comunicação e continuam a oferecer-lhes a possibilidade de receber correspondência de AA por correio normal, se assim o preferirem.

O GSO (ESG) tem alguma experiência com Websites de AA privados e protegidos por senha. Os diretores de AAWS e logo o CSG concordaram receber informação por meio de suporte magnético eletrônico — um instrumento de comunicação protegido por senha e que requer um usuário. E, pela primeira vez, em 2008 os membros da Conferência de Serviços Gerais também receberam informação através de suporte magnético privado (todos os membros da Conferência tiveram a opção de receber a informação em formato CD ou em papel).

PROTEÇÃO DO ANONIMATO ONLINE

A comunicação em AA hoje em dia flui de um alcoólico para outro por meio da tecnologia de ponta de uma forma relativamente aberta e vem evoluindo rapidamente. A proteção do anonimato é uma das principais preocupações dos membros que acedem à Internet em número cada vez maior.

Um recurso orientador da experiência partilhada de AA referente aos Websites de AA é o artigo de serviço do GSO (ESG) "Perguntas que se fazem freqüentemente acerca dos Websites de AA". O número 7 diz:

P. — E quanto ao anonimato?
Observamos todos os princípios e Tradições de AA nos nossos Websites. Uma vez que o anonimato é a "base espiritual de todas as nossas Tradições" pomos em prática o anonimato a todo o momento em todos os Websites de AA. Um Website de AA é um meio de comunicação público e tem capacidade de alcançar a audiência mais diversa e numerosa possível; por conseguinte, é necessário usarmos da mesma proteção que usamos perante a imprensa, rádio, TV e cinema.

WEBSITES DE REDE SOCIAL

MySpace, Facebook e outros Websites de rede social são de natureza pública. Ainda que os utilizadores criem as suas contas, utilizem usuário e senha, uma vez que se entre no Website, está-se num meio público onde se misturam os membros de AA com pessoas que o não são.

Se as pessoas não se identificam como membros de AA, não haverá conflito de interesses. Porém ao utilizar o seu nome completo e/ou uma imagem tal como uma fotografia de rosto inteiro e se diz ser membro de AA, não estará conforme o espírito da Décima Primeira Tradição que, na sua forma longa diz em parte: "Não se devem publicar, filmar ou difundir os nossos nomes ou fotografias, identificando-nos como membros de AA"

A experiência sugere que, de acordo com a Décima Primeira Tradição, não se revele que se é membro de AA num Website de rede social nem em nenhum outro Website, blog, quadro de anúncios eletrônico, etc.. ou que seja acessível ao público, salvo quando esteja exclusivamente composto de membros de AA e protegido por senha.

PUBLICAÇÕES DE ATAS E CIRCULARES DE SERVIÇO

Há que considerar cuidadosamente que materiais se vão colocar nos Websites públicos. Ainda que seja uma grande ajuda colocar à disposição de muita gente as atas das reuniões, circulares e outros materiais informativos são de suma importância ter presente a possibilidade de que estes documentos apareçam num meio público. É conveniente repassar e rever todos os documentos para se estar seguro de que não apareçam os nomes completos dos membros.

Alguns Comitês têm duas versões das atas: uma apenas para os membros de AA, na qual aparecem nomes completos, números de telefone e endereços de e-mail; e outra que se pode colocar no Website público do Comitê na qual se omitem os nomes e dados pessoais de contacto.

Tenham presente que, além dos membros de AA locais, os seguintes indivíduos são igualmente membros de AA e as suas fotografias e nomes completos não devem aparecer em circulares ou folhetos colocados em Websites públicos: custódios Classe B (alcoólicos) membros do CSG; diretores de AAWS e da Grapevine; membros de AA que trabalhem no GSO (ESG) e/ou na Grapevine e na La Viña. Se houver alguma dúvida em publicar numa circular o nome completo de uma pessoa, será bom que se peça a sua autorização antes de fazê-lo.

A alguns Comitês, parece-lhes perfeitamente correto por nomes completos e informação pessoal de contacto num Website protegido por senha e dirigido unicamente a membros de AA. Esta decisão deve corresponder à decisão da consciência de grupo informada.

PARTILHAS DE ORADORES ONLINE

Os membros têm-nos informado que há cada vez mais arquivos na Internet com partilhas de membros de AA. Se um membro não quiser que se mostre publicamente a sua história pessoal, deve pôr-se em contacto com o administrador do Website para lhe pedir que a suprima.

Muitos membros têm seguido com bons resultados a seguinte sugestão para os oradores de AA em eventos de AA, que aparece no material de serviço da GSO (ESG) com o título "Linhas de Orientação de AA para Conferências, Convenções e Encontros":

A experiência indica que o melhor, é dissuadir os oradores de utilizarem nomes completos e de identificar terceiros pelos seus nomes completos nas suas partilhas. O poder das nossas Tradições de anonimato é reforçado pelos oradores que não utilizam os apelidos e pelas pessoas ou companhias gravadoras que nas suas etiquetas ou catálogos não identificam os oradores pelos apelidos, títulos, postos de serviço ou descrições.

Além disso, alguns membros de AA ao terem as suas partilhas gravadas para uso futuro num Website público, podem optar por omitir outros detalhes das suas vidas que podem servir para identificar mais facilmente os próprios ou ás suas famílias.

NÚMEROS DE TELEFONE PESSOAIS EM FOLHETOS DE EVENTOS DE AA

Até uma data relativamente recente, os membros de AA raramente tinham que se preocupar ao pôr os seus nomes com a inicial do apelido e número de telefone pessoais em folhetos que anunciavam eventos de AA de realização próxima, uma vez que esses folhetos se destinavam a ser distribuídos unicamente nas reuniões de AA e exclusivamente aos membros de AA. Hoje em dia os folhetos, por ser fácil a sua colocação nos Websites, ficam acessíveis ao público em geral.

Por meio dos serviços de busca da Internet, agora é possível identificar uma pessoa, descobrir o seu nome completos e possivelmente, vários dados pessoais. Se os membros de AA se sentem cada vez mais inquietos ao ver os seus números de telefone pessoais publicados nos folhetos, os Comitês organizadores dos eventos deverão criar outras formas de facilitar informação de contacto como, por exemplo, criando uma direção de correio eletrônico para o evento.

O ANONIMATO E O CORREIO ELETRÔNICO

O correio eletrônico é um meio de comunicação amplamente utilizado e geralmente aceite. Agora utiliza- se regularmente como instrumento de serviço de AA; não obstante, tal como os demais serviços, temos que nos assegurar de que se cumprem as Tradições de AA e, ao mesmo tempo, tirar o máximo proveito deste meio de comunicação.

Ao utilizar o e-mail, é necessário considerar o anonimato dos destinatários das mensagens. Enviar mensagens a múltiplos destinatários onde se revelem os endereços eletrônicos de todos os que aparecem na lista de destinatários pode constituir uma potencial violação do anonimato de outra pessoa. Por conseguinte é uma boa idéia obter a autorização expressa de uma pessoa antes de incluir o seu endereço de email na correspondência de AA, especialmente se é um endereço do seu local de trabalho. Ao enviar email a múltiplos destinatários que desejam ser anônimos, pode-se fazer uso da opção Bcc, disponível na maioria dos computadores.

USO DE NOMES COMPLETOS EM E-MAIL DIRIGIDOS A PROFISSIONAIS

Pode considerar-se a comunicação por correio eletrônico com profissionais como algo muito parecido a um projeto de correspondência por correio normal, porém com advertências especiais: 1) os e-mails podem ser remetidos facilmente a outros; 2) podem ser cortados, copiados, alterados; 3) podem ser colocadas partes do conteúdo de e-mail em Websites.

Os profissionais "amigos de AA", têm-nos dito que quando se trata de assuntos de serviço de Cooperação com a Comunidade Profissional ou de Informação Pública, o uso do nome completo nas cartas ou nos e-mail, assim como o tom e aparência profissionais, dá maior credibilidade à comunicação.

A Coordenadora de Informação Pública do GSO (ESG) responde aos pedidos que nos cheguem dos meios de comunicação por correio normal ou por e-mail da seguinte forma:

Atenciosamente,
Fulana de Tal (É favor não publicar o nome)
Coordenadora de Informação Pública

ANONIMATO E OS COMPUTADORES PESSOAIS

Alguns AA dizem a si mesmos: "Tenho um computador pessoal, assim não tenho que me preocupar com o anonimato dos membros de AA na minha lista de contatos." Porém, é possível que um indivíduo, suficientemente motivado para fazê-lo, possa obter o usuário e a senha necessário para acessar ao correio eletrônico de outra pessoa. É de esperar que não suceda tal incursão, porém, pode ser prudente criar uma senha sumamente definitiva e mantê-la privada.

Mesmo a conta de correio mais bem protegida pode ser invadida por um especialista (hacker); mesmo assim e até a data, muitos membros e Comitês não têm dúvidas em aceitar estes riscos ao mesmo tempo em que atuam com prudência e senso comum.

Devemos considerar também o fato de que as listas de endereço de e-mail utilizadas na correspondência AA num computador pessoal podem ser acedidas por amigos ou membros da família, se mais que uma pessoa faz uso do equipamento.

OS E-MAILS EM AA: ACESSO, DIREÇÕES E ROTATIVIDADE

Não é necessário ter um computador pessoal para fazer uso do correio eletrônico. Muitos membros de AA no seu trabalho em serviço de AA utilizam os serviços gratuitos de e-mail para abrir contas de correio e designam-na como a sua conta de serviço de e-mail de AA. Os AA podem acessar às suas contas nas bibliotecas públicas, nos ciber cafés e noutros lugares onde esteja disponível um serviço de Internet.

No que se refere aos postos de serviço de AA, os endereços de e-mail genéricos podem passar de um servidor de confiança para outro na altura da rotatividade. Por exemplo, o endereço de e-mail e a conta de Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. pode passar de um servidor para outro quando haja rotatividade, mantendo unicamente a identidade do posto (Podem ser mudados somente o usuário e a senha).

OS PERIGOS DO SPAM

Diz respeito à consciência de grupo informada do Comitê decidir qual será a melhor forma de implementar projetos de serviço através da Internet, especialmente projetos de Cooperação com a Comunidade Profissional (CCCP) e de (Informação Pública (CIP). Sugere-se energicamente que os membros de AA não enviem correio em massa não solicitado para o serviço de AA. Se o fazem, podem expor assim o nome de AA a uma controvérsia pública prejudicando a reputação de AA na sua totalidade. Eventualmente também pode ser ilegal, e deve informar-se sobre as leis locais referentes à comunicação por correio eletrônico e SPAM. Como alternativa o Comitê pode considerar a possibilidade de enviar correspondência a alguns (poucos), destinatários ou de enviar e-mails individuais e personalizados. É possível que a conta do destinatário tenha um filtro contra SPAM que bloqueie a mensagem e por isso deve-se ter um plano de continuidade caso não chegue resposta à correspondência inicial. Aparte dos contactos pessoais que se fazem entre membros de AA, uma forma eficaz de interagir com os profissionais e o público em geral tem sido a de pôr à sua disposição um link com o Website do GSO (ESG).

REUNIÕES DE AA ONLINE

Tal como as reuniões normais de AA, as reuniões de AA online são autônomas. Por não ter uma localização geográfica, as reuniões de AA online não fazem parte da estrutura de serviço (EUA/Canadá e Brasil).

Incentivam-se os membros de AA a participarem no serviço nos lugares onde residem e a participar nas decisões da consciência de grupo local. Algumas reuniões de AA online levam a cabo reuniões sobre o serviço e recolhem contribuições da Sétima Tradição.

O prefácio da quarta edição do livro Alcoólicos Anônimos comenta a respeito dessas reuniões feitas por membros que dispõe de computador. (Reunião com propósito especial).

Enquanto nossa literatura preserva a integridade da mensagem de A.A., amplas mudanças na sociedade como um todo se refletem em novos hábitos e procedimentos dentro da Irmandade. Por exemplo, aproveitando-se dos avanços tecnológicos, os membros de A.A. que dispõem de computador podem participar de reuniões por Internet, compartilhando com companheiros alcoólicos de todo o país e do mundo inteiro. Em qualquer reunião, em qualquer lugar, os AAs compartilham entre si experiências, forças e esperanças com o propósito de manterem-se sóbrios e ajudarem outros alcoólicos. Modem a modem ou cara a cara, os AAs falam a linguagem do coração em todo o seu poder e simplicidade.

A UNIDADE EM A.A.

Como nós, membros de A.A. preservaremos melhor nossa unidade?

Quando um alcoólico aplica os Doze Passos de nosso programa de recuperação à sua vida pessoal, sua desintegração para e sua unificação começa. O Poder que agora o prende num único conjunto supera aquelas forças que o estavam destruindo. Exatamente o mesmo princípio se aplica a cada grupo de A.A. e a Alcoólicos Anônimos como um todo. Enquanto os laços que nos unem provarem ser muito mais fortes do que as forças que nos dividiriam tudo estará bem. Estaremos seguros como movimento; nossa unidade essencial permanecerá com certeza. Se, como membros de A.A., cada um de nós pode recusar prestígio público e renunciar a qualquer desejo de influência pessoal; se, como movimento, insistimos em permanecer pobres, a fim de evitar disputas a respeito de grande propriedade e sua administração; se nós constantemente rejeitamos todas as alianças políticas, sectárias ou qualquer outras evitaremos a divisão interna e a notoriedade pública; se, como movimento, continuarmos sendo uma entidade espiritual, interessada somente em levar nossa mensagem aos companheiros sofredores, sem recompensa financeira ou obrigação, apenas então podemos efetivamente concluir nossa missão.

Está cada vez mais claro que nunca deveríamos aceitar benefícios temporários, ainda que sejam os mais tentadores, se esses consistirem em consideráveis somas de dinheiro, ou puderem nos envolver em alianças polêmicas e de endosso, ou puderem tentar alguns de nós a aceitar, como membros de A.A., publicidade pessoal, a nível de imprensa ou rádio. A unidade é tão vital para nós, membros de A.A. que não podemos nos arriscar tomando aquelas atitude e práticas que têm às vezes desmoralizado outras formas de sociedade humana.

Até aqui temos sido bem sucedidos, porque temos sido diferentes. Que possamos continuar a ser assim! Mas a unidade de A.A. não pode se preservar automaticamente. Como a recuperação pessoal, teremos sempre que trabalhar para mantê-la. Também aqui precisamos de honestidade, humildade, mente aberta, altruísmo e, acima de tudo vigilância. Assim, nós que somos mais antigos em A.A. pedimos a vocês, que são mais novos, para ponderarem cuidadosamente a experiência que temos tido de tentar trabalhar e viver juntos.

Gostaríamos que cada A.A. tomasse tanta consciência dessas tendências perturbadoras que nos põem em perigo como um todo, como ele mesmo tem consciência daqueles defeitos pessoais que ameaçam sua própria sobriedade e paz de espírito. Movimentos inteiros anteriormente se desfizeram por falta de unidade. Os “Doze Pontos da Tradição de A.A.” constituem nossa primeira tentativa para estabelecer princípios sólidos da conduta de grupo e relações públicas. Muitos de A. As. já sentem que essas Doze Tradições são sólidas o suficiente para tornar-se o guia básico e a proteção para A.A. como um todo; que devemos aplicá-las tão seriamente à vida de nosso grupo como fazemos com os Doze Passos de recuperação para nós mesmos. Para se falar disso, será preciso muito tempo. Nunca podemos nos esquecer que, sem unidade permanente, muito pouco podemos oferecer, no sentido de aliviar os milhares que ainda estão por unir-se a nós, em sua procura de liberdade.

(Fonte: Livrete “A Tradição de A.A.” Como se desenvolveu, por Bill W.)

CADASTRAMENTO DE GRUPOS

O cadastramento propriamente dito é de uma importância tamanha que é uma das páginas mais acessadas de nosso site e está sendo talvez hoje a nossa maior porta de entrada da Irmandade.
Desde que foi lançado, o cadastro de Grupos e Órgãos de Serviços passou a alimentar o site da JUNAAB com informações importantes de interesse público e para os membros e serviços em A.A.

Estamos atualmente na fase de manutenção dos dados cadastrados, onde as Áreas fazem as correções, alterações, inclusões e exclusões dos dados nele presentes.

Foi um trabalho de unidade e de grande esforço conjunto que propiciou sabermos aonde estamos, quantos somos, e o que fazemos.

Através do Site Oficial de Alcoólicos Anônimos no Brasil é possível ver o numero de Grupos, Setores, Distritos, quantidade de reuniões semanais, horário das reuniões, última atualização feita, etc.

Não deixe de consultar e se encontrar alguma divergência comunique o seu Distrito que repassará a informação à sua Área para as adequações.

O CATI e a AUDACTER estão desenvolvendo um sistema de sincronismo entre o Banco de Dados do Cadastro de Grupos e Órgãos de Servidos e o Sistema Naveg. Esse sincronismo atualizará a base de dados do Sistema de Gerenciamento Naveg que está muito  esatualizada, permitindo que a comunicação entra o ESG e os Grupos de A.A., principalmente quando da remessa da Sacola da Gratidão e assinatura da Revista Vivência, seja feita com maior confiabilidade, evitando inconsistências no endereço e que atualmente ocorre com frequência.

IMPORTANTE

Recebemos questionamento de algumas Áreas, se o cadastramento de Grupos serviria para definir a quantidade de Relatórios Anuais e, se as Áreas teriam que solicitar, ou então se esse cadastramento iria implicar em algum tipo de ônus para o Grupo cadastrado.

Não existe nenhum tipo de ônus a nenhum grupo de A.A. para ser cadastrado, basta ter localização geográfica. Mesmo os grupos que não participam de contribuições, poderão ser cadastrados. Quanto à quantidade de Relatórios Anuais quem define a quantidade necessária é a Área que comunica ao ESG, em nenhum momento será considerado a quantidade de Grupos cadastrada.
.
As Áreas que não estão acessando o Sistema de Cadastro podem entrar em contato com o CATI-JUNAAB para recuperar login e senha.

aa_internet4

Publicamos em nosso site uma ferramenta que permite ao visitante encontrar um Grupo de A.A. em torno de uma localidade. Essa ferramenta juntamente com a outra já existente compõem um conjunto que permite que se chegue a qualquer Grupo de A.A. cadastrado e existente no Brasil.

aa_internet6

Seu Grupo ainda não está cadastrado entre em contato com a Área através do seu Distrito.

 

Secured by Siteground Web Hosting